Saiba Tudo Sobre o Livramento Condicional

Saiba Tudo Sobre o Livramento Condicional
17/03/2017

O Livramento Condicional é também conhecido como “Liberdade Condicional” e diz respeito à liberdade que é antecipada e concedida somente mediante certas condições, conferida ao condenado que já cumpriu uma parte da pena que foi imposta. Saiba tudo sobre o Livramento Condicional a seguir.

Definição de Livramento Condicional

Dá-se o nome de Livramento Condicional a medida política que abrevia a reinserção do condenado no convívio social. Ou seja, permite que ele cumpra a sua pena em liberdade desde que preencha requisitos de ordem objetiva e subjetiva em determinadas condições.

O Livramento Condicional é concedido pelo juízo de execução e cabe a ele o recurso de agravo de execução. O Livramento Condicional será concedido também a partir do preenchimento de muitos requisitos.

Ele é facilmente confundido com o sursis, no qual a pena deixa de ser aplicada e o condenado não inicia o cumprimento da pena privativa em liberdade. Além disso, no sursis, em regra, é concedido na sentença e o recurso cabível é a apelação.

Requisitos e condições do Livramento Condicional

O juiz poderá conceder o Livramento Condicional ao indivíduo condenado a pena privativa de liberdade igual ou superior a dois anos desde que:

Requisitos Objetivos:

  •  Pena privativa de liberdade: reclusão, detenção ou prisão simples;
  •  Pena concreta deve ser igual ou superior a dois anos de prisão até mesmo em casos de contravenção penal. Já as penas de infrações devem ser somadas, mesmo em processos distintos para efeito de concessão de benefícios;
  •  É obrigatório o cumprimento de mais da metade da pena, caso o condenado seja reincidente em crime doloso, e de um terço se o condenado não for reincidente em crime doloso e ainda tiver bom antecedente;
  •  Reparação do dano causado pela infração, quando possível.

Requisitos Subjetivos:

  •  Deve ter comportamento carcerário satisfatório e para isso diversos fatores podem caracterizar essa conduta (laudo criminológico, conduta carcerária, etc.);
  •  Bom desempenho em trabalho atribuído. Esse requisito fica prejudicado caso exista deficiência nas instalações do presídio em que nenhum trabalho seja programado aos detentos;
  •  Mediante trabalho honesto prover aptidão para a própria subsistência;
  •  Com constatações das condições pessoais, deverá haver presumo de que o preso não voltará a delinquir. Esse requisito é atribuído aos crimes dolosos, cometidos com violência ou grave ameaça a alguém, não sendo previsto nos demais crimes.

Faça o seu cadastro no e-Diário Oficial para divulgar informações de interesse público no Diário Oficial da União.

Você também vai gostar de:

1. Entenda a Prisão Especial no Ordenamento Jurídico Brasileiro
2. Conheça a Lei das Drogas

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode se interessar por

Veja mais