Você Conhece a Lei dos Transplantes?

Você Conhece a Lei dos Transplantes
15/03/2017

As informações sobre a Lei dos Transplantes não são facilmente encontradas e, por isso, gera algumas dúvidas. A Lei nº 9.434 dispõe, desde 1997, sobre a remoção de órgãos e tecidos para fins de transplantes. Continue lendo esse post para mais informações.

O que é a Lei dos Transplantes?

A Lei dos Transplantes pode ser abordada sob vários aspectos. De modo geral, ela regulamenta a doação de órgãos e tecidos do corpo humano. O principal intuito é reduzir a fila de espera que existe dos doentes que necessitam de um transplante para sobreviver ou até mesmo pela estética. A Lei foi sancionada com poucas informações e, com isso, mitos e verdades rondam esse assunto. Vale salientar que a lei está em plena vigência.

Do que ela trata?

A Lei dos Transplantes trata de tecidos, órgãos e partes do corpo humano (em vida ou após a morte), excluídos o óvulo, esperma e sangue. Para que ocorra o transplante, porém, é necessário ter a autorização do SUS e só poderá ocorrer depois do exame prévio, conforme a Lei 7649/88.

Óvulo, esperma e sangue são excluídos, pois a legislação entende que não são de tratamento de saúde, somente de reprodução humana e outros interesses.

Mesmo com a autorização do SUS, o transplante pode ocorrer de forma lenta, já que são feitos inúmeros testes de compatibilidade do doador que receberá o material doado com o intuito de evitar rejeição.

Além disso, quando ocorre morte encefálica, a mesma deverá ser diagnosticada por dois médicos distintos e de diferentes equipes pela operação que realizará a operação, o maior objetivo é o de evitar fraudes pelos responsáveis pela doação.

Diferença entre transplante e doação de órgãos

Considera-se como doação sempre que ocorre a remoção de um órgão de doador vivo ou morto e o receptor tem pouco tempo de vida. O transplante, por sua vez, é o ato de coletar o órgão, membro, célula e tecido de um doador para que sua função original seja restaurada no receptor.

Quem pode doar órgãos?

Quando a morte cerebral é diagnosticada, os órgãos podem ser doados. Entretanto, nesse caso, apenas a família do paciente pode autorizar a doação. Em caso positivo, um documento autorizando o processo é assinado. O ideal é que o doador manifeste o desejo com conversas com a família e ainda em vida.

Continue acompanhando o portal. O e-Diário organiza e facilita as suas publicações no Diário Oficial da União.

Você também vai gostar de:

  1. Casos de Dengue Podem Ser Denunciados – Veja Como
  2. Conheça os Direitos Fundamentais dos Portadores do Vírus HIV

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode se interessar por

Veja mais