Como se Tornar um Analista de Licitação?

Como se Tornar um Analista de Licitação?
19/09/2019

Um analista de licitação é responsável pelo acompanhamento e pela manutenção dos contratos licitatórios, podendo atuar nas seis modalidades existentes — concorrência, pregão, convite, leilão, tomada de preço e concurso. Quem deseja se tornar um, deve ter as competências necessárias para exercer tal função, além de conhecimentos básicos em legislação e rotinas administrativas. 

Caso tenha dúvidas sobre qual curso fazer, onde estudar e quais são as competências necessárias, acompanhe no artigo abaixo!

Como se tornar um analista de licitação?

Para se tornar um analista de licitação, você pode ter se formado em qualquer curso, independentemente, se é ligado ao Direito ou não. Porém, é necessário fazer algum tipo de especialização na área, como cursos de pós-graduação, MBA, mestrado ou doutorado.

Portanto, quem atua como um analista de licitação, possivelmente, se especializou em áreas de:

  • licitações;
  • contratos administrativos;
  • gestão pública;
  • direito com ênfase em licitações e contratos;
  • entre outros.

Além disso, muitas empresas que trabalham diretamente com processos licitatórios oferecem cursos livres, com certificados e duração estimada para os profissionais que desejam se familiarizar com licitações. 

Como escolher o curso ideal?

Antes de escolher que curso deseja fazer para se tornar um analista de licitação,  pesquise muito sobre cada um e analise-os de acordo com o seu perfil e identificação. 

Existem diversas instituições que oferecem a especialização, com preços variados. Uma pesquisa na internet ou conversar com quem trabalha na área, pode ajudar você a se decidir e conhecer as melhores instituições. 

Além disso, caso não consiga conciliar a sua rotina atual com o curso, aposte na opção em EAD (à distância). Essa é uma das vantagens da área!

Quais são os locais de trabalho?

Quem se especializar na função pode desenvolver-se em diversos locais, como:

  • companhias prestadoras de serviços;
  • organizações da área jurídica;
  • administrativo;
  • corporações privadas
  • junto a órgãos públicos.

Por ser um profissional técnico, é exigido competência para análises jurídicas e extrajudiciais, uma ampla visão comercial para estudar e avaliar os diferentes processos licitatórios.

Além disso, o analista é quem vai preparar a documentação necessária para os processos e deverá estar atento aos prazos e condições. Acompanhar o andamento das disputas, conhecer órgãos licitantes e a concorrência, também é uma de suas atividades.

Você é uma pessoa organizada, que tem inciativa, é cuidadosa aos detalhes, tem boa comunicação e responsabilidade? Talvez essa seja a função ideal para você! 

Gostou do artigo? Então, continue acompanhando as matérias do E-Diário Oficial!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode se interessar por

Veja mais