Central de Atendimento | 0800 607 5588

Envio de Matérias para Publicação

Mais de 125 anos após a abolição da escravatura, o Brasil e outros países ainda combatem uma versão contemporânea de trabalho forçado. A exploração de trabalho escravo nos dias atuais é mais comum do que muitos pensam. Veja mais a seguir.

Trabalho escravo

O trabalho escravo dos dias atuais não se difere tanto de antigamente. Pode se manifestar desde a servidão por dívida, até com o tráfico de pessoas para o comércio sexual. Veja as formas mais comuns de escravidão:

Jornada Exaustiva

Um expediente que ultrapassa as horas extras e coloca em risco a integridade física e emocional do trabalhador é considerado uma forma de trabalho escravo. Há casos em que o descanso semanal não é respeitado, deixando o funcionário impossibilitado de manter sua vida familiar e social.

Trabalho Forçado

Quando o indivíduo é obrigado a aceitar condições de trabalho exploratórias, sendo forçado a permanecer no local, seja por motivos de dívidas, ameaças ou violência física e psicológica, ele também está sendo submetido ao trabalho escravo.

Servidão por Dívida

Na maioria dos casos, os trabalhadores são cobrados por uma dívida interminável, e ficam dominados e cercados por algo que nunca vão conseguir “quitar”. Gastos com transporte, alimentação, moradia (em alguns casos) e até mesmo ferramentas de trabalho que são cedidas são cobradas de forma abusiva e descontadas do salário do trabalhador.

Condições Degradantes

Maus-tratos e violência, falta de saneamento básico e água potável, péssima alimentação, falta de assistência médica, alojamento precário e em parte dos casos, a liberdade do trabalhador é roubada, com a retenção de documentos e isolamento geográfico. Essas condições degradantes caracterizam o trabalho escravo nos dias atuais.

Como é tratado o trabalho escravo atualmente

A existência do trabalho escravo contemporâneo foi assumida pelo Governo Federal Brasileiro em 1995, e o Brasil tornou-se uma das primeiras nações a reconhecer de forma oficial a ocorrência do problema em seu próprio território. Desde 1995 até 2014, cerca de 47 mil trabalhadores foram libertados de situações semelhantes à escravidão.

É comum que esta situação ocorra em zonas rurais, mas nos últimos anos, a situação também apareceu na indústria têxtil.

Em todos os estados brasileiros há registros de trabalho escravo.

Erradicação do Problema

A erradicação deste problema só pode ser efetivada quando a prevenção e a assistência ao trabalhador libertado forem garantidas.

Desde 2014, o programa “Escravo, nem pensar” volta suas atividades para líderes populares e educadores que estão em contato direto com jovens e adultos, gerando uma zona de influência que mobiliza e são capazes de compor uma rede engajada de combate ao trabalho escravo.

Deseja publicar alterações nas leis com relação ao trabalho escravo em algum diário oficial? Conte com os serviços do e-Diário Oficial para fazer isso de forma rápida e segura!

Você também vai gostar de:

  1. Danos à Saúde do Trabalhador – O que Fazer?
  2.  Férias Coletivas: Saiba O Que O Funcionário Tem o Direito de Receber